domingo, 31 de outubro de 2010

Viva nós mulheres! Viva o Povo Brasileiro! Viva o PT! Viva Dilma Rousseff, Presidenta do Brasil!

Um Brasil melhor, com justiça e democracia


DILMA ROUSSEFF

Ao longo desta campanha, apresentei o compromisso de dar continuidade aos avanços obtidos por nossa democracia, em especial no governo Lula

Para um país que viveu boa parte da sua história mergulhado no autoritarismo, poder decidir seu futuro nas urnas, com liberdade, será sempre um momento de festa e de orgulho. Hoje, escolhemos os nossos governantes debatendo, criticando, com liberdade de imprensa e de opinião, inseridos na realidade viva e plural de um verdadeiro Estado democrático de Direito.
É sempre oportuno lembrar que gerações de brasileiros sonharam em poder viver disputas eleitorais como a que hoje vivemos, podendo falar e escrever o que pensam, defender em voz livre o que acham justo, convivendo sem ódio, com tolerância e respeito aos que não compartilham da mesma opinião.
Muitos lutaram, sofreram e deram suas vidas para que isso fosse possível. A nossa democracia é fruto da luta, das lágrimas e da vida de homens e de mulheres que, no passado, não tiveram medo de abrir as portas para o futuro que hoje nos orgulhamos de viver.
Neste domingo, a democracia nos dará, mais uma vez, a oportunidade de continuar a construir um país melhor e mais justo.
Nos últimos oito anos, a nossa democracia provou que é possível fazer com que o Brasil cresça de maneira sustentada, econômica e ambientalmente, distribuindo renda e promovendo justiça social.
Provou que é possível construir um novo país, corrigindo o passado e planejando o futuro, em uma madura convivência entre as instituições republicanas e uma sociedade plural, ativa e vigilante. Provou que o brasileiro pode se orgulhar de viver em nosso país, falando com potências estrangeiras de igual para igual, sem arrogância, mas também sem subserviência.
O país da submissão ao Fundo Monetário deu lugar ao Brasil do Fundo Soberano, com reservas expressivas, e do pré-sal.
Ao longo desta campanha, apresentei ao país o compromisso de dar continuidade aos extraordinários avanços obtidos pela nossa democracia, em especial durante o governo Lula.
Sob o comando de um presidente nascido nas camadas mais pobres da população, vivemos uma transformação histórica profunda. Superamos a estagnação e começamos a combater a desigualdade, inaugurando uma nova era de prosperidade, justiça e otimismo no país.
É necessário que essa transformação continue.
O país da recessão deu lugar a uma economia dinâmica, que gerou 15 milhões de empregos formais, multiplicou exportações e fez renascer setores estratégicos como a indústria naval, a construção civil e a agricultura familiar.
Por outro lado, ninguém pode negar que a ascensão à cidadania de 28 milhões de pessoas que saíram da pobreza, graças ao crescimento econômico e a programas sociais abrangentes e eficazes, deu uma dimensão substantiva, e não meramente formal, ao desenvolvimento da nossa democracia.
É como também devemos ver os 36 milhões de brasileiros na nova classe média, ou os quase 2 milhões de jovens no ensino superior, graças ao ProUni e às universidades públicas que devemos seguir ampliando. Seguindo por esse caminho, alcançaremos novo patamar, em que a noção de liberdade ultrapassa o justo direito de reivindicar.
Por tudo isso, contados os votos, seja qual for a decisão soberana da maioria dos brasileiros, devemos voltar os olhos para o futuro e somar forças, na construção de um país ainda melhor.
A democracia foi conquistada pelos brasileiros como um valor fundamental. E, pela força do voto, ela fará com que o Brasil continue seu processo de transformação na busca de uma vida digna, justa e feliz para todos.

DILMA ROUSSEFF, 62, ex-ministra de Minas e Energia e ex-chefe da Casa Civil (governo Lula), é candidata à Presidência da República pela Coligação para o Brasil Seguir Mudando.

No http://blogdadilma.blog.br/

Vota, Brasil, que amanhã será um novo dia! Vota para decidir o destino do teu povo!

Charge de Paixão para A Gazeta do Povo

No http://www.vermelho.org.br/charges.php?id_param_charge=361

Nós mulheres, unidas, podemos decidir o destino do país e, consequentemente, o nosso.

Sulamita Esteliam: As mulheres decidem

As mulheres decidem, e podem se orgulhar
por Sulamita Esteliam, em  A Tal Mineira
Nós mulheres somos mais da metade da população brasileira: 51,3%, segundo o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2007. De há muito ocupamos as universidades – 57% das matrículas no ensino superior. No mercado de trabalho, também, beiramos a metade: 49,7% da população economicamente ativa, pelos dados de 2009 do IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Podemos, sim, governar um país. E devemos nos orgulhar de termos essa oportunidade, ainda rara no mundo.
Comandamos nossos lares, não apenas como mães, donas de casa, cuidadoras: 65,8% das mulheres casadas contribuem com 40,9% das despesas dos lares, ainda segundo o IPEA. A cada ano, mais e mais mulheres são responsáveis pelo sustento de suas famílias: na classe C, esse percentual chega a 32%; nas classes A e B, 25%. Ombro a ombro com os homens ou sozinhas, somos cada vez mais protagonistas de nossos destinos
Ganhamos salários menores que os homens, mesmo em funções idênticas. Somos minoria, ainda, nos cargos de direção, postos executivos, públicos e privados, legislativos, judiciários, sindicais, religiosos. Ainda reclamamos parceria na dupla, tripla jornada.
Não obstante, estamos a um passo da Presidência da Republica. Só depende de nós. Afinal, somos a maior parte do eleitorado: 51,8%, de acordo com o TSE – Tribunal Superior Eleitoral.
Amassamos barro, manejamos enxadas, rodos e vassouras. Pilotamos fogão, tanques e máquinas de lavar. Mas também dirigimos empresas, clínicas, hospitais, escolas, hoteis, mercados. Comandamos obras, redações, linhas de produção, veículos individuais e coletivos – lares, templos, terreiros e bordeis. Brilhamos nos palcos das artes e da vida.
Nos perdemos e nos achamos em meio a fraldas, livros, cuecas, computadores, laços, tratores,  espinhas, terços, cólicas,  textos, véus, tintas, cálculos, desejos, culpas e odores – redes, humores e lençóis. Sangramos, regularmente. “Bicho esquisito”, já cantou Rita Lee.
Parimos. “Somos metade da humanidade e mãe da outra metade”, ecoa a frase de uma líder comunitária recifense, há coisa de 10 anos.  Somos mãe, e isso é sublime, quando temos o direito de escolha. Nosso existir vale mais do que querem nos fazer crer o moralismo obsceno e o fundamentalismo conveniente. Também temos o direito ao cuidado da vida.
Semeamos. Esperneamos. Plantamos. Regamos e colhemos. Pintamos e bordamos. Muitas vezes, tudo ao mesmo tempo: somos estéreo – múltiplos canais para diferentes ressonâncias. Talvez por isso, nos traduzam anjas ou demônias – trôpegas, loucas, absolutas. Quem não é?
Mulher assertiva é autoritária, agressiva? Ou é fêmea que se impõe num mundo onde o macho sempre deu as cartas? “Mulher que nega, nega o que não é para negar”? Ou valoriza o direito de ser senhora dos seus próprios caminhos.
Há quem ache que mulher pode, no máximo, ser sindica de prédio. Claro, miss simpatia, também. O estereótipo da imagem não sustenta nossa realidade. Nosso cotidiano é faina. Nosso tecer é teia delicada, muitas vezes, nas dobras do talvez. Ainda assim seguimos adiante, dominamos nossos medos, galgamos escarpas, construimos trilhas – passo a passo.
Somos de Vênus, sim. Mas também somos de Marte. Navegamos conforme a maré. Todavia,  sabemos nadar contra a corrente, contornar obstáculos, feito um rio que traça seu próprio curso. Temos mãos que afagam e pulso que sustenta.
Por que não podemos governar um país?
Minha geração levou duas décadas para poder votar para presidente da República. Vivenciamos  o obscurantismo da negação da nossa cidadania por 21 anos. Esta reles escriba faria 29 anos quando votou para governador pela primeira vez, em 1982. Fomos para as ruas na campanha das diretas, muitas de nós empurrando carrinhos de bebê ou com filhos no colo e/ou pelas mãos. Só conquistamos o direito de escolha cinco anos depois, em 1989.
A nova geração de mulheres brasileiras vive outro tempo, outra realidade. Quem tem hoje 17 anos, como minha caçula, pôde dar seu primeiro voto para uma mulher, no primeiro turno destas eleições. Melhor, pôde optar entre duas mulheres. Não duas mulheres quaisquer, porque mulheres existem de diferentes matizes. Mas duas mulheres forjadas na luta, na defesa dos direitos democráticos e da cidadania plena. Uma delas se tornou a mulher mais votada de todos os tempos no Brasil, quiçá do Planeta – por livre expressão da vontade popular.
Estamos a dois passos de decidir os destinos da Nação, numa segunda oportunidade de escolha. Um gesto, aparentemente, simples, mas de profundo impacto no futuro de várias gerações. Há dois projetos, bem distintos, em disputa. E ainda há muito o que fazer para o Brasil se tornar um país mais justo e igualitário, um país com oportunidades reais para todos seus filhos e filhas. Podemos avançar ou retroceder.
Nós decidimos.
Sobretudo, as mulheres decidem. Não fujamos de nossa responsabilidade. Antes, dela nos orgulhemos.
* Sulamita Esteliam é jornalista e escritora. Autora dos livros Estação Ferrugem, romance-reportagem que resgata a história da região operária de Belo Horizonte-Contagem, Vozes, 1998; Em Nome da Filha – A História de Mônica e Gercina, sobre violência contra mulher em Pernambuco; e o infantil Para que Serve Um Irmão, os dois últimos ainda inéditos. http://www.atalmineira.wordpress.com //sulamitaesteliam@hotmail.com
No http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/sulamita-esteliam-as-mulheres-decidem.html

sábado, 30 de outubro de 2010

DIA 31 É 13, É DILMA

 

 

Vox Populi: Dilma tem 57% dos votos válidos e Serra, 43%

Datafolha: Dilma soma 55% dos votos válidos; Serra tem 45%

CNT/Sensus: Dilma chega a 57,2% dos votos válidos; Serra tem 42,8%

Ibope: Dilma chega a 56% e Serra tem 44% dos votos válidos

"Penso, logo existo." Descartes

Verás que a mulher, na mesma proporção de ser um sexo frágil, é forte em determinação e acertividade!

É a vez da mulher‏



UM DIA PRA CHAMAR DE NOSSO!

Dia Lilás em Porto Alegre


http://secretariamulheres.blogspot.com
Há essas nossas mulheres tão belas,
tão fortes, tão grandes!
Há sim, ESPERANÇA, FORÇA e FÉ
em cada passo, em cada grito,
em cada gesto dessa nossa vida!
Há esse querer tão decidido.
HÁ MULHERES NAS RUAS,
NAS CALÇADAS, NAS VIELAS,
NAS PRAÇAS E NOS CAMPOS.
Há em cada uma o sonho e a realidade
que se completam e se misturam:
- É a DILMA minha gente, chegando
pra pautar as nossas lutas e
caminhar junto com todas.
Para que nunca mais se esqueça:
Chegou a VEZ DA MULHER
NA PRESIDÊNCIA DO BRASIL – DILMA:
Mulher brasileira em 1º lugar!
Um “Viva! Viva!”
à todas as mulheres
que sonham e lutam por um
mundo melhor pra se viver!
(Lucia I.Reali Lemos)

Enviado por Edna Cavalcante Inô

Lula, realmente, é o cara!

Lula lamenta nível da campanha e vê preconceito contra mulher

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva lamentou nesta sexta-feira (29) o “baixo nível” da campanha eleitoral, durante visita ao Salão do Automóvel, em São Paulo. Às vésperas do segundo turno da eleição, Lula afirmou ficar “triste” com o “preconceito” sofrido pela candidata à Presidência Dilma Rousseff (PT) que, segundo ele, foi discriminada por ser mulher.

"Eu fico triste porque a campanha teve um nível muito baixo. Eu acho que a candidata Dilma foi vítima de preconceito mais uma vez, aquele mostrado de forma arraigada contra a mulher brasileira", disse.

A declaração ocorreu após o presidente ser questionado sobre qual era sua avaliação sobre a reta final da campanha. Lula, porém, disse acreditar que os eleitores votarão em peso no domingo (31), apesar do feriado do dia 2 de novembro.

"A única coisa que eu posso pedir para o povo brasileiro é que no domingo compareça para votar. [...] De qualquer forma, eu acho que o Brasil vai dar mais uma demonstração da consolidação da democracia . O povo vai comparecer, var votar, nós vamos continuar fazendo do Brasil uma grande nação", afirmou.

Lula comentou a declaração do Papa Bento XVI que, nesta semana, afirmou que os representantes religiosos devem se manifestar politicamente e condenar o aborto. A declaração do líder católico foi imediatamente elogiada por Serra, que neste segundo turno tem feito campanha em torno do tema na tentativa de desgastar Dilma junto ao eleitorado religioso.

"Não vi nenhuma novidade na declaração do papa", avaliou o presidente. "Esse é o comportamento da Igreja Católica desde que ela existe. Se for ver a Igreja Católica, dois mil anos atrás, ela falava exatamente a mesma coisa", destacou o presidente.

Lula evitou relacionar a manifestação de Bento XVI e o momento eleitoral. O presidente, porém, reafirmou que o Brasil é um país laico, mas negou que o líder religioso tenha extrapolado suas atribuições. "Ninguém vai além, cada um vai como a sua consciência. Este país é um país democrático, laico, portando as pessoas se manifestam da forma que quiserem", declarou.
 
“A gente ganha ou a gente perde, a gente pode pagar um preço pelos erros que a gente cometeu. Devo ter cometido muitos erros. Agora, pelo reconhecimento da sociedade brasileira, parece que eu cometi um pouco mais de acerto", resumiu.

Bem humorado, o presidente indicou ainda que o país viverá seu melhor Natal em dez anos, com uma classe média robusta e uma classe média-baixa com maior poder de compra. Lula lembrou que o índice de desemprego brasileiro está bem abaixo do registrado nos Estados Unidos e na Europa, e que já há quadro de pleno emprego em algumas capitais.

“Vejo como o horizonte de futuro só melhora para o Brasil. Entramos em uma fase em que não há como o Brasil retroceder. O mundo está acreditando no Brasil, os brasileiros estão acreditando no Brasil.” Lula acredita que o país está no caminho para se transformar rapidamente em uma economia avançada.

Neste sábado (30), o presidente deve descansar em sua casa, em São Bernardo do Campo (SP), diferentemente do primeiro turno, quando realizou caminhada ao lado de Dilma. Lula vota na cidade do ABC Paulista e, em seguida, viaja a Brasília, onde acompanhará a apuração dos votos.

Com agências

No http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=140471&id_secao=1

Mulheres do meu Brasil, se Deus permitir, estaremos dando um enorme passo para vencermos o descaso político e social. Vamos trabalhar para que esse momento histórico feminino aconteça!

Agora é só aguardar o resultado das urnas, Sandra!

 Eu penso, logo voto DILMA 13

Eu tenho meus motivos além do que um ‘líder’ dita pra mim!
Sou DILMA 13
Fonte: Sou Carioca

No http://blogdadilma.blog.br/

Se o Papa morasse no Brasil ...

O bispo Dom Luiz Carlos Eccel vai votar em DILMA.

Radar Político: O bispo Dom Luiz Carlos Eccel, de Caçador, Santa Catarina, divulgou nesta sexta-feira, 29, uma carta de apoio à candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, um dia depois que o papa Bento XVI pediu aos bispos que orientassem os fíéis para votar em candidatos “contra o aborto e a favor da vida”. É o segundo texto de apoio a Dilma que o bispo divulga. O primeiro data do dia 12 de outubro. No texto divulgado nesta sexta, o bispo afirma que “o Santo Padre foi muito oportuno e feliz nas suas colocações”, mas alerta para “facções sociais, políticas e religiosas” dentro da própria igreja que “estão manipulando o texto do papa, para justificar a sede do poder”.
Depois, Dom Luiz afirma que viu nos telejornais que tanto Dilma quanto o candidato tucano, José Serra, concordaram com o papa: “Ambos concordaram com as Palavras do Papa, dizendo que é missão dele exortar para uma vida coerente com os valores da fé e da moral, e que as palavras do Papa valem para todas as pessoas de fé, no mundo inteiro”. A seguir, o bispo afirma que Lula “tem defendido a vida, e sempre se pronunciou contra o aborto. Nesses últimos anos o Brasil tem crescido e melhorado em todos os aspectos, de maneira especial no respeito à vida e a valorização da dignidade humana. Esta é a Vontade de Deus! E as pessoas, em plena posse de suas faculdades mentais, vão reconhecer esta verdade.”
De acordo com Dom Luiz, “nosso país está em pleno desenvolvimento e assim queremos continuar”. O bispo ainda destaca que Dilma “não fugiu para o exterior durante a ditadura, mas a enfrentou com garra e, por isso, foi presa e torturada. Ela queria um país livre, e que todas as pessoas pudessem viver sem medo de serem felizes, vencendo a mentira e o ódio com a verdade e o amor”. Ele cita ainda palavras de Jesus para justificar seu apoio à petista: “Ninguém tem maior amor do aquele que dá a própria vida pelos irmãos.” Ao final, o bispo agradece as palavras do papa: “Obrigado Santo Padre por suas sábias palavras! A Dilma é a resposta para as nossas inquietações a respeito da vida. Quem sofreu nos porões da ditadura, não mata.”

Leia abaixo a carta de Dom Luiz Carlos Eccel na íntegra:

O papa e a política

Já havia lido o discurso do Papa Bento XVI, aos Bispos do Maranhão, em visita ad limina apostolorum. Muito interessante o discurso do Papa. Ele não pode deixar de cumprir sua missão de Pastor Universal, exortando o Povo de Deus, especialmente no que diz respeito à defesa da VIDA.
O Santo Padre foi muito oportuno e feliz nas suas colocações, porque o Estado Brasileiro é laico, mas seu povo é religioso, e isto precisa ser respeitado. Quando digo que o povo é religioso é porque está disposto a fazer a Vontade de Deus e não somente dizer: Senhor, Senhor…, como às vezes se pretende, de maneira especial dentro da própria Igreja. Existem facções sociais, políticas e religiosas especializadas em fazer lavagem cerebral, deixando as pessoas sem convicções, mas com obsessões, e com a consciência invencivelmente errônea. Ficam semelhantes aos grãos de pipoca que levados ao fogo não estouram, e com mais fogo, mais duros ficam. Tornam-se donas da “verdade”. Estão até manipulando o texto do Papa, para
justificar a sede do poder. (cf. http://www.releituras.com/rubemalves_pipoca.asp)
É a Vontade de Deus que nos salva e não a nossa, e sobre isto precisamos sempre nos exortar mutuamente, como diz o Apóstolo São Paulo. Portanto, que nossa fé seja sempre vivificada pela mútua exortação. Pode ocorrer de nos esquecermos que somos todos peregrinos caminhando para a Casa do Pai, e quando lá chegarmos, poderemos ouvir de Jesus o seguinte: “Afastai-vos de mim, vós que praticastes a injustiça, a maldade” (Lc13,27). Creio que ninguém vai querer ouvir isto naquela hora. Seu passaporte está em dia? Pode ter certeza de que a eternidade existe… Assim, busquemos alimentar nossa fé, sem esquecer, como diz o Papa, que ela deve implicar na política. A fé sem obras é morta, diz a Escritura Sagrada. E uma
das obras que deve provir da fé, é o nosso voto consciente em pessoas que vão governar para o bem comum,
respeitando a vida em todas as suas etapas e dimensões.
No mesmo dia em que li o discurso do Papa, assistindo ao telejornal, à noite, escutei o pronunciamento da candidata e do candidato à presidência do Brasil a respeito do discurso do Papa. Ambos concordaram com as Palavras do Papa, dizendo que é missão dele exortar para uma vida coerente com os valores da fé e da moral, e que as palavras do Papa valem para todas as pessoas de fé, no mundo inteiro.
O Papa falou, também, que o voto deve estar a serviço da construção de uma sociedade justa e fraterna, defensora vida. Como Bispo da Igreja Católica, e como cidadão brasileiro, fico feliz por saber que nosso Presidente tem defendido a vida, e sempre se pronunciou contra o aborto. Nesses últimos anos o Brasil tem crescido e melhorado em todos os aspectos, de maneira especial no respeito à vida e a valorização da dignidade humana. Esta é a Vontade de Deus! E as pessoas, em plena posse de suas faculdades mentais, vão reconhecer esta verdade.
Nosso país está em pleno desenvolvimento e assim queremos continuar e, depois de 500 anos, nosso povo quer eleger, pela primeira vez, uma mulher que tem compromisso com a vida e provou isso com sua própria vida. Como? Ela não fugiu para o exterior durante a ditadura, mas a enfrentou com garra e, por isso, foi presa e torturada. Ela queria um país livre, e que todas as pessoas pudessem viver sem medo de serem felizes, vencendo a mentira e o ódio com a verdade e o amor, servindo aos ideais de liberdade e justiça, com sua própria vida. Disse Jesus: “Ninguém tem maior amor do aquele que dá a própria vida pelos irmãos” (Jo 15,13).
Obrigado Santo Padre por suas sábias palavras! A Dilma é a resposta para as nossas inquietações a respeito da vida. Quem sofreu nos porões da ditadura, não mata. Mas teve gente que matou a vida no seu ventre para fugir da ditadura, e portanto não deveria se comportar como os fariseus, que jogam pedras, sabendo-se pecadores. E Jesus disse: “Quem quiser salvar a sua vida vai perdê-la, e quem entregar sua vida por causa de mim, vai salvá-la”(Mt 10,39)
Vamos fazer o nosso Brasil avançar ainda mais, com Dilma, que já provou ser coerente, competente e comprometida com a VIDA. O dragão devastador não pode voltar ao poder. Deus abençoe os leitores e eleitores, governos e governados. Saúde e paz a todos (as)! Tudo o que você me desejar, eu lhe desejo cem vezes mais. Obrigado.
Caçador, 28 de outubro de 2010
Dom Luiz Carlos Eccel – Bispo Diocesano de Caçador

No http://blogdadilma.blog.br/

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Serra vai perder!

Charge de Bira para A Charge Online

Primeiro a obrigação, pra depois a diversão! Dê um voto pro Brasil!

http://1.bp.blogspot.com/_gVjmrNm31tg/TMnm5mlWP2I/AAAAAAAAJyY/MK9FrsTNBiw/s1600/Outlook.jpg

Só para descontrair!

Dois minutos para descontrair...

Uma piadinha publicada neste blog, ganhou destaque na internet, foi parar no e-mail da Patricia Pillar para Ciro Gomes e hoje está no blog do Fernando Rodrigues da Folha.

Já que todos gostaram e para  descontrair  a tarde,  vamos para mais uma piadinha

Ventilador de teto

Um cidadão morreu e foi para o céu. Enquanto estava em frente a São Pedro nos Portões Celestiais, viu uma enorme parede com relógios atrás dele.

Ele perguntou: - O que são todos aqueles relógios?

São Pedro respondeu: - São Relógios da Mentira. Todo mundo na Terra tem um Relógio da Mentira.


Cada vez que Você mente, os ponteiros de seu relógio movem-se.

- Oh!! - exclamou o cidadão - De quem é aquele relógio ali?

- É o de Madre Teresa. Os ponteiros nunca se moveram, indicando que ela nunca mentiu.

- E aquele, é de quem?

- É o de Abraham Lincoln. Os ponteiros só se moveram duas vezes, indicando que ele só mentiu duas vezes em toda a sua vida.

- E o Relógio do Serra, também está aqui?

- Ah! O do Serra está na minha sala.

- Ué - espantou-se o cidadão, - por quê?

E São Pedro, rindo, respondeu:

- Estou usando como ventilador de teto. 
 
No http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/

Show de Cidadania

Veja quem declarou voto em Dilma

Mais respeito conosco, Serra!

Sou mãe de uma moça de 16 anos que, junto com o pai dela, um grande parceiro, luto todos os dias para lhe dar uma boa educação. Como qualquer mãe, peço a Deus que ela um dia encontre um companheiro que saiba amá-la e valorizá-la enquanto mulher. 
Sim, candidato Serra, ela está estudando para ser, futuramente, uma boa profissional e contribuir para o desenvolvimento, principalmente humano, do nosso país. Estudo e trabalho é a receita para se concretizar sonhos. O apelo sexual não deve ser estratégia para que a mulher consiga seus objetivos, quer sejam eles profissionais, sociais ou políticos, pois isso não nos dignifica, só nos coisifica.
Não gostei, Serra, do seu pedido às meninas de MinasGerais, para que elas seduzissem os rapazes em barganha de votos. É assim que você quer se eleger?! Nos coisificando?! Não vê que essas garotas mineiras são capazes de conseguir votos argumentando sobre candidatos e candidaturas?! Só porque você é uma coisa, quer coisificar as mulheres também?!
Não, José Serra, não votaremos em você. Falo por mim, por meu esposo e por nossa filha...  e também pelas mulheres. Não votaremos porque, uma das suas "mil caras" chama-se descaso e outra chama-se preconceito. Descaso e preconceito com as mulheres, com as famílias, com os pobres, com o Nordeste, com os Estados brasileiros (a excessão, ou não, de São Paulo), com o Brasil. 

Para que vocês possam entender melhor os motivos da minha revolta, leiam o post abaixo, do http://blogdadilma.blog.br/

Serra pede que mineiras conquistem votos de seus pretendentes

Rodrigo Bertolotto
Enviado especial do UOL Eleições
Em Uberlândia
“Se você é uma menina bonita, tem que conseguir 15 votos. Pegue a lista de pretendentes e mande um e-mail. Fale que quem votar em mim tem mais chance com você”, pediu o presidenciável  tucano, José Serra, diante de simpatizantes em Uberlândia (MG), nesta quinta-feira (28).
Em sua terceira visita a Minas Gerais no segundo turno, o candidato inovou seu discurso ao pedir votos diante de um auditório animado em clube da cidade.
O clima de festa foi garantido por grupos de batucada e fanfarra contratados, além de cerca de cinco ônibus vindos de Belo Horizonte com militantes, que recebem R$ 40 por dia. Para completar, Aécio Neves, senador eleito pelo PSDB-MG, causou gritos do público feminino e coro e cânticos do masculino.
Notem o nível da campanha do Serra. Não pode ser mais baixo que isso. Não dá para acreditar que um candidato a presidente da república tenha essa mentalidade, seja tão vil, tão baixo, tão imoral, tão sujo. E ai povo de Minas, povo de Uberlandia? Pais e mães? Vocês vão permitir que o candidato Serra afronte impunimente a moral a conduta de suas moças e de suas meninas?

Joelmir Beting edita reportagem em favor de Dilma

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Serra nega, em debate na Record, que eles tentaram mudar o nome da Petrobrás para Petrobrax.

Serra mentiu feio no debate da Record

As mentiras gravíssimas de Serra, foram:
- não distinguir as diferenças em leilões de blocos de risco, do pré-sal onde quase não há risco;
- Negar que o governo FHC cogitou mudar o nome de Petrobras para PetrobraX;
- Negar que o DEMos entrou com ação no STF contra o PROUNI;
- Desqualificar obras do PAC, como a refinaria Abreu e Lima;
- querer crédito pela integração da Bacia do São Francisco, quando o governo FHC enrolou para levar adiante, devido a contrariedade de Paulo Souto, então governador da Bahia;
- inventar que gerou 1 milhão de empregos com Ministro da Saúde. Ele demitiu gente em massa, como os mata-mosquitos, congelou concursos e carreira profissional no serviço público, sucateou a rede pública.
- Se contradisse, ao dizer que vai vigiar fronteiras e debochou de soluções técnicas da própria Polícia Federal, como os aviões não tripulados. Serra foi infeliz em chamar pejorativamente de discos voadores.
- Foi muito mal quando disse que os 15 milhões de empregos gerados eram só regularização com carteira assinada. Todo mundo sabe que empregos estão mais fáceis no governo Lula. E pegou mal ao admitir que no governo de FHC e Serra, a fiscalização do trabalho era frouxa;
- Mentiu na reforma agrária, dizendo que fez mais do que no governo Lula;
- foi patético ao querer acusar Dilma, principal ministra do governo Lula, de não dar atenção ao Nordeste; é o tipo de argumento que em vez de agradar, faz perder votos, de tão sem-noção. 
 
No http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/

domingo, 24 de outubro de 2010

Sérgio Ricardo, companheiro de militância do PT, me enviou este texto:

Maurício Abdalla
Marina, há os que a conhecem de agora, como candidata aplaudida pelos mass media. Esses podem estar de bem com você. Mas há os que a conhecem como a militante cristã, engajada nas causas sociais que os que hoje a paparicam jamais tiveram sequer conhecimento – ou, de qualquer forma, com elas nunca se importaram. Há os que também a conhecem como a doce e ferina oposição ao Governo do PSDB em seu mandato como senadora. Esses, Marina, como eu, estão de mal.
Neutra, Marina? Neutros ficamos diante de questões que nos são indiferentes. É-lhe indiferente o futuro do nosso país? Custa-me crer, pois sua história um dia a posicionou. Posicionou-a, inclusive, ao lado de Lula. Não acredito que para você tanto faça a continuidade do atual Governo ou o retorno dos tucanos. Sabe por que, Marina? Porque não “tanto fez” para você durante os 5 anos e meio em que esteve no Governo. Ou você também ficaria tanto tempo como ministra de um Governo do PSDB/DEM? Ou se o governo Lula fosse igual ao do FHC? Alguma diferença havia de ter, não é verdade? Caso contrário, suas motivações passariam a ser um tanto quanto paradoxais.
Em que pese às decepções que tivemos, Marina, não nos é indiferente – a nós que pensamos nos pobres e na justiça social – o fato de 30 milhões de pessoas terem, hoje, o que comer. Não podemos dizer que tanto faz um salário mínimo de R$ 300,00 ou de R$ 510,00. Que mais 15 milhões de pessoas tenham emprego, em contraste com o presidente anterior que cunhou o termo “inempregáveis” como resposta ao desemprego, é fato que não pode deixar de tocar-nos o coração.
É diferente, Marina, tratar os presidentes de outros países, quando são índios, mestiços e ligados aos movimentos sociais, como legítimos mandatários ou tratá-los como ralé que deveria submeter-se aos EUA e ao sub-imperialismo de nosso país gigante.
Temos severas críticas ao Governo Lula, mas nenhuma delas se assemelha às críticas das elites e de seus meios de comunicação. Nenhuma delas pode ser superada por alguma proposta do Serra. Ao contrário, o retorno do PSDB/DEM apenas aumentará as nossas bandeiras de oposição.
Em situações como esta, a neutralidade é um péssimo exemplo para os jovens. Ainda espero que você se posicione. Ainda aguardo que você volte a ser a Marina, de família de seringueiros, cristã, militante, sindicalista e Silva. E que repita para essa juventude que não conheceu o governo do PSDB/DEM tudo aquilo que você já disse sobre ele no senado.
Ainda espero. Pois eu, ao contrário de Caymmi – e, em certo sentido, ao contrário também de você que ainda rumina uma mágoa mal digerida do Governo – “quando me zango, Marina, eu sei perdoar”.
 

É lamentável, Marina, que você continui em cima do muro, "uma pena que Marina, a quem a história deu a oportunidade de ser a grande líder da causa ambiental no Brasil, preferindo a omissão pessoal. O líder, quando é mesmo líder de uma causa e não de um projeto pessoal, não se omite. Escolhe um campo e enfrenta as batalhas decisivas."

Líder não se omite. Escolhe um lado e luta

 
Lamentável a declaração da senadora Marina Silva de que não assume posição no segundo turno porque , nas suas palavras, “não acredita em voto de manada.”
Senadora, os eleitores, muito menos os seus, não são manada. Têm opinião própria. Mas quando se referenciam numa liderança, estabelecem com ela uma relação de confiança e troca.
Não me ocorreu que Marina pudesse considerar um “voto de manada” o crescimento de sua candidatura na reta final do primeiro turno. Se ela diz que a “onda verde” que fez crescer sua candidatura, como ela diz, “o voto democrático do cidadão que acreditou na sua plataforma, discurso, postura e trajetória”, deve achar que as pessoas a seguiram por serem livres para escolher, não porque sejam uma “manada”. Aliás, a propaganda de Marina foi recheada de declarações de voto de celebridades e pastores e nem por isso eles trataram os eleitores como “manada”. Ou trataram?
Portanto, embora tenha o direito de não declarar o voto, Marina não tem o direito de dizer que aqueles que recomendam o voto tratam o eleitor como manada.
Aliás, pessoas que, no mundo inteiro, se preocupam com a questão ecológica está muito mais associada a uma candidatura do campo popular que à velha direita que construiu um modelo mundial de devastação. Tanto que os líderes históriocos do movimento verde na Europa, manifestaram, em carta, seu que, em carta, declararam apoio a Dilma, como informa o Opera Mundi.
“A manutenção da esquerda no poder é a única possibilidade real de fazer avançar a causa ecológica no país”, diz a carta. “A vitória da direita representaria o triunfo do complexo agro-industrial e dos céticos em matéria de aquecimento global”, enfatiza o documento, ressaltando conquistas como o estatuto da floresta, “que começou a limitar a devastação na Amazônia e no Mato Grosso”, e a demarcação de terras indígenas, como Raposa Serra do Sol.
Os verdes europeus não se limitam apenas às questões ambientais, destacando também que no plano internacional, “os aspectos mais inovadores da política Sul-Sul de Lula (certamente pelo fato de seu apoio a Ahamdinejad), seriam condenados ao ostracismo com um realinhamento com os Estados Unidos”.
A carta dos verdes europeus faz um alerta sobre José Serra, a quem não consideram sequer um social democrata de centro. “Por trás dele, a direita brasileira vem mobilizando tudo o que há de pior em nossas sociedades: preconceitos sexistas, machistas e homofóbicos, junto com interesses econômicos os mais escusos e míopes. A direita sai do porão”, afirma a carta.
Os verdes elogiam Gilberto Gil, por conclamar o voto em Dilma “sem ambiguidade”, e manifestam compreensão pelo não posicionamento de Marina sob o argumento de que seria difícil um alinhamento imediato com quem ela entrou em conflito quando estava no governo. “Mas nossa experiência como força política e de oposição e governo na Europa nos permite afirmar a nossos companheiros brasileiros que, nas atuais circunstâncias do Brasil, a ancoragem na esquerda é a única possibilidade real de fazer avançar a causa ecológica.”
A carta é assinada por Dany Cohn Bendit (Alemanha), co-presidente do grupo de deputados do Partido Verde no Parlamento europeu; Monica Frassoni  (Itália), co-presidente do Partido Verde europeu; Philippe Lamberts (Bélgica), co-presidente do Partido Verde europeu , e os franceses Dominique Voynet, senadora, prefeita da Cidade de Montreuil e ex-Ministra do Meio Ambiente; Yves Cochet, deputado nacional e também ex-MInistro do Meio Ambiente; Noël Mamère, deputado Nacional e prefeito de Bègles; José Bové, deputado europeu; Alain Lipietz, dirigente dos Verdes e ex-deputado europeu; Jérôme Gleizes, dirigente da comissão internacional dos Verdes, e Yann Moulier Boutang, co-diretor da Revista Multitudes (Paris).
Uma pena que Marina, a quem a história deu a oportunidade de ser a grande líder da causa ambiental no Brasil, preferindo a omissão pessoal.  O líder, quando é mesmo líder de uma causa e não de um projeto pessoal, não se omite. Escolhe um campo e enfrenta as batalhas decisivas.

No http://www2.tijolaco.com/
http://pud.im/dz7

Voto em Dilma 13, independentemente de resultados de pesquisas que, cá entre nós, podem ser maquiadas para favorecer candidatos.

Uma eleição movida a pesquisas

 
Qualquer que seja o resultado que apresentem, acho que, após as eleições, o pensamento democrático deste país terá de refletir seriamente sobre o que está acontecendo com as pesquisas eleitorais.
Chegamos ao paradoxo de termos, praticamente, uma pesquisa diária.
Amanhã deve sair a pesquisa Vox Populi/IG, encerrada hoje (protocolo 37059/2010 no TSE); terça-feira, o Datafolha/Folha/Globo (37404/2010); quarta, a CNT/Sensus (37609/2010) ; quinta, o Ibope/Globo/Estadão(37517/2010 e e daí para sexta, de novo, o Datafolha (37721/2010 ) e o Ibope, na sexta (37596/2010). Isso sem contar a GPP/Indio, a que me referi anteriormente.
Cada pesquisa destas custa em torno de R$ 200 mil, exceto a Sensus, que sai por R$ 100 mil. Por aí você vê o volume de recursos que se movimenta nestes levantamentos de opinião. É jogo pesado, totalmente nas mãos da grande imprensa.
Não se trata de proibir ou censurar pesquisas, mas é estranho que, ao menos do que eu acompanho de noticiário, não me lembro de ver tantas pesquisas, com tanta frequência, em qualquer país democrático, nem mesmo os Estados Unidos.
A democracia brasilieira terá de encontrar meios de disciplinar e tornar mais transparentes as pesquisas eleitorais, sob pena de além de fazer com que o debate eleitoral se empobreça ao “subiu um, desceu dois pontos” das pesquisas de opinião.
Controladas, é claro, por um pequeno número de empresas e um número menor ainda de veículos de comunicação.

No http://www2.tijolaco.com/

"Enquanto o clima de beligerância entre petistas e tucanos cresce retórica e fisicamente, tevês, rádios, revistas, jornais e portais de internet simpáticos a Serra – assumidamente ou aparentemente – põem lenha na fogueira com uma chuva de acusações, insultos e zombarias contra um dos lados e com vitimização do outro." Eduardo Guimarães


Sete dias de fúria midiática – buscando um cadáver


Os últimos lances de uma corrida presidencial pautada pela fúria midiática continuaram surpreendendo. Ao contrário do que se pensava, a ofensiva teatral da bolinha de papel saíra pela culatra, apesar daquela que talvez tenha sido a maior farsa já encenada neste país em termos de apoio publicitário a supressão e/ou inversão dos fatos em prol de José Serra.
No oitavo dia da furiosa campanha da mídia para eleger o candidato tucano, vazaram dados das pesquisas diárias que o PT encomendara aos institutos Vox Populi e Ibope. Os trackings, cuja função não consiste em apurar números precisos, mas, sim, tendências e reações do eleitorado, revelaram que aumentara a distância entre Dilma Rousseff e o adversário.
Chegou-se ao sétimo dia de irracionalidade cívica, ao domingo anterior ao domingo da eleição presidencial mais disputada em mais de duas décadas, em situação de quase esgotamento das opções de factóides para reverter os rumos da disputa. Serra não reage.
O país é tensionado pela mídia. Colunistas de grandes jornais, revistas, tevês, rádios, portais de internet saíram a insultar e a provocar petistas com suas zombarias triunfalistas, mas só até surgirem os sinais de que o tiro da bolinha de papel de dois quilos que os tucanos disseram que petistas atiraram contra Serra em um comício, saiu pela culatra.
A fúria midiática, como previsto, ia aumentando.
Na noite de 23 de outubro, dois dos blogs políticos mais lidos no país, o de Luiz Carlos Azenha e o de Rodrigo Vianna, repórteres da Rede Record, saem do ar no navegador Firefox. Ao acessar os blogs de qualquer outro navegador, não havia problema. Mas ao acessar naquele navegador específico surgia uma falsa mensagem de que aquelas páginas estavam “infectadas”.
Ao fim da tarde do oitavo dia de fúria, portais de internet informavam que houvera novo risco de confronto entre militantes do PSDB e do PT na cidade paulista de Diadema. Novamente, uma tropa tucana fora a um reduto petista fazer provocações enquanto a mídia serrista buscava vender que quem estava na frente é que tentava melar o jogo eleitoral.
Entendendo a estratégia do PSDB e da mídia, os militantes petistas em Diadema abriram caminho para que os tucanos marchassem através da manifestação adversária, e formaram um “cordão de isolamento” do avanço dos esbirros de Serra e dos seus figurantes contratados. Enquanto avançavam pelo meio dos petistas impassíveis, os tucanos proferiam insultos.
Ainda no sábado 23 de outubro, os mesmos portais de internet anunciavam que marchas petista e tucana poderiam se encontrar no Rio, em Copacabana, mas que os petistas, novamente, recuariam para não fazer o jogo dos adversários, cada vez mais dispostos a melar o jogo eleitoral por contarem com a mídia para inverter os fatos.
A marcha petista na cidade do Rio no sétimo dia de fúria midiática foi sabiamente adiada pelos organizadores para ocorrer depois da marcha tucana, convocada para o dia e a hora em que já se sabia que haveria a marcha dos adversários.
A análise mais detida do rumo das coisas sugere que só não foi tentado um tipo de factóide para chocar o eleitorado e induzi-lo a votar no candidato da direita midiática. Tentou-se de tudo contra Dilma. Escândalos sexual (ou homossexual), religioso, de corrupção, de prática de violência física, mas nada deu certo. Serra continua não reagindo eleitoralmente.
Enquanto o clima de beligerância entre petistas e tucanos cresce retórica e fisicamente, tevês, rádios, revistas, jornais e portais de internet simpáticos a Serra – assumidamente ou aparentemente – põem lenha na fogueira com uma chuva de acusações, insultos e zombarias contra um dos lados e com vitimização do outro.
A história ensina que campanhas para comover sociedades contra alguém ou alguma coisa muitas vezes apelaram a cadáveres, a crimes de sangue em que “não restassem dúvidas” sobre a autoria, ainda que processos legais requeiram tempo para condenar ou absolver sob convicção absoluta, impossível de ser formada em míseros sete dias de fúria midiática.

No http://www.blogcidadania.com.br/2010/10/sete-dias-de-furia-midiatica-%E2%80%93-buscando-um-cadaver/

PV europeu apoia Dilma

Verdes europeus declaram apoio à candidata Dilma Rousseff e fazem duras críticas à Serra

Membros dos Partidos Verdes de vários países Europeus, entre ele Daniel Cohn-Bendit (um dos principais líderes estudantis do maio de 68), publicaram uma carta de apoio à candidata do PT, Dilma Rousseff.

Eles pedem que os brasileiros não permitam que “o voto libertário em Marina Silva paradoxalmente se transforme em uma catástrofe para as mulheres, para os direitos humanos e para os direitos da natureza!”

A eleição de Dilma é a única forma de garantir que os projetos ambientalistas mundiais sejam postos em prática e que o Brasil continue avançando nas políticas de inclusão social.

“É impossível acreditar que a esperança suscitada pelos dois mandatos presidenciais de Lula acabe terminando no segundo turno com a eleição do candidato da direita”, aponta a carta.

Afirmam que a batalha do segundo no Brasil será bastante dura e diz que não se pode fechar os olhos para o “avanço da direita no maior País da América Latina”.

“José Serra não é um social democrata de centro. Por trás dele, a direita brasileira vem mobilizando tudo o que há de pior em nossas sociedades: preconceitos sexistas, machistas e homofóbicos, junto com interesses econômicos os mais escusos e míopes. A direita sai do porão”, avaliam os verdes franceses.

Na carta os verdes repudiam a campanha de baixarias promovida pela candidatura de José Serra:

"Dilma tem sido alvo de campanhas anônimas na internet que acusam de terrorismo e de bandidagem por ter participado na luta contra o regime militar, ela que foi por este motivo presa e barbaramente torturada...

... Contra as mulheres, as facções mais reacionárias das igrejas cristãs – incluindo aquela da mulher do candidato da direita [referindo-se à Mônica Serra] que declarou publicamente que Dilma quer assassinar criancinhas – acusam a candidata de ser favorável ao aborto, mesmo que esta questão não faça parte de seu programa de governo, tampouco do programa do Partido dos Trabalhadores".

Assinam o manifesto:

- Daniel Cohn Bendit (da Alemanha, presidente do grupo de deputados do Partido Verde no Parlamento europeu),;
- Jérôme Gleizes (francês, dirigente da comissão internacional dos Verdes);
- a italiana Monica Frassoni (co-presidente do Partido Verde europeu);
- Dominique Voynet (senadora francesa e refeita da Cidade de Montreuil, ex-Ministra do Meio Ambiente);
- Philippe Lamberts (belga co-presidente do Partido Verde europeu);
- Alain Lipietz (dirigente do PV francês e ex-deputado europeu);
(Do Último Segundo)
No http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/

Eu não voto em covarde! O que esperar de um homem que tem medo de uma simples bolinha de papel?

Serra fujão. Dilma não foge à luta!


Desde jovem, José Serra optou por cuidar dos interesses pessoais em detrimento dos interesses coletivos. Assim, abandonou todos aqueles homens e mulheres que aqui  no Brasil ficaram para enfrentar a ditadura e garantir a vitória da democracia e da justiça, expressões estas que não encontram lugar na biografia desse candidato.Na foto, o sorridente  candidato José Serra se diverte com amigos no Chile, enquanto aqui no Brasil, Dilma estava presa, por lutar pela democracia e justiça.

Dilma lutou pelo Brasil e pela democracia. Serra fugiu

Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estrelado,
E diga o verde-louro dessa flâmula
- "Paz no futuro e glória no passado."
Mas, se ergues da justiça a clava forte,
Verás que um filho teu não foge à luta,
Nem teme, quem te adora, a própria morte.
Terra adorada,
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó Pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!


Qual candidato merece seu voto; Aquele que luta por você e pelo seu país, ou aquele candidato que foge da luta e vai passear no exterior? Você vota em covarde?

No http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/

Dê a vitória de Dilma de presente a Lula!

Aniversário de Lula terá mobilização pró-Dilma..Dê um presente ao Presidente Lula

24 de outubro de 2010

No próximo dia 27, o Presidente Lula completará 65 anos e o comando de campanha da petista organiza vários eventos para impulsionar a candidatura de Dilma, como bandeiraços e adesivaços

O tom mais emocional da reta final da campanha de Dilma Rousseff (PT) será dado com um ato festivo no dia 27, na comemoração de 65 anos do Presidente Lula e mesma data que, há oito anos, ele foi eleito Presidente da República. Para essa data a campanha da petista organiza o Dia nacional de mobilização para  a vitória de Dilma , com um bandeiraço e adesivaço em todo país.

A campanha Dê a vitória de Dilma de presente a Lula foi definida na reunião da Executiva Nacional do PT no inicio da semana passada e os principais coordenadores já vêm levando o mote às redes sociais.

Lula também já está integrado à mobilização e tem pedido a eleição de Dilma como presente de aniversário em todos os comícios do segundo turno. Em Goiânia semana passada, disse que, na verdade, o presente não seria para ele, mas para 190 milhões de brasileiros . Não me importo de ganhar presente atrasado. Eu quero que o Brasil me dê de presente Dilma presidente do Brasil no dia 31 de outubro , pediu Lula no comício de Teresina, na semana passada.

Na última sexta-feira, o ministro licenciado de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, replicou no Twitter a campanha Dia 27, dê um presente ao presidente Lula: conquista mais um voto para Dilma na rua . O presidente Lula está antenado com a campanha de Dilma. Certamente vai ter um ato simbólico dos dois juntos no dia do seu aniversário , disse o líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP).

O coordenador nacional de mobilização da campanha de Dilma, Jorge Coelho, disse que o dia 27 legará a militância às ruas. Vai ser uma grande demonstração de mobilização da militância, vai ser um grande bandeiraço do Oiapoque ao Chuí, o dia inteiro, no Brasil inteiro, com panfletagem em fábricas, metrôs, adesivagem de carros. Além do aniversário de Lula, foi no dia 27 de 2002 que ele foi eleito presidente da República pela primeira vez , disse Jorge Coelho.

Eita que eles estão aperreados! Cuidado, isto está ficando perigoso: "Sem escrúpulos, sem limites na ambição e na ganância que envolvem traição a interesses dos brasileiros, jogam o jogo mais sujo de toda a história de eleições presidenciais no Brasil."!

Violência tucana se alastra pelo Brasil

24 de outubro de 2010

A Polícia Militar da Bahia, em Ilhéus, atacou um assentamento de pequenos produtores de cacau aos gritos de “chame Lula”, “chame Wagner”, numa típica ação de banditismo e dentro do cronograma de violência imposta pelos tucanos nessa reta final de campanha.

A estupidez teve todas as características de barbárie de bandidos fardados a exemplo do que acontecia na ditadura militar.

O fato já chegou ao conhecimento do governador da Bahia Jacques Wagner que determinou providências imediatas para apuração dos fatos e punição dos culpados, além de garantia de vida aos pequenos produtores de cacau em Ilhéus.

Há dias o deputado Antônio Carlos Magalhães Neto declarou a jornalistas que “é impossível ganhar as eleições na Bahia, apesar de todos os nossos esforços”. As declarações do deputado foram reproduzidas por quase todos os grandes jornais e refletiam o desespero de tucanos e DEMocratas diante da perspectiva de derrota contundente naquele estado.

O ataque da PM baiana ao assentamento em Ilhéus tenta criar um fato político passível de ser imputado às forças que apóiam a candidatura Dilma Roussef e assim diminuir a vantagem da candidata na Bahia.

Faz parte de uma onda generalizada de violência projetada e programada pela campanha do candidato José FHC Serra, que espera com isso gerar um clima de medo e pânico em setores da opinião pública, neutralizando a vantagem nacional de Dilma Roussef, registrada em todas as pesquisas de opinião pública, inclusive a de institutos vinculados aos grupos que apoiam José FHC Serra, o IBOPE e o DATA FOLHA.

Essa onda de violência se estende desde atos de boçalidade policial como o acontecido na Bahia a noticiário de fatos falsos (VEJA, GLOBO, FOLHA DE SÃO, REDE GLOBO, etc), no visível descontrole do candidato e seus partidários demonstrado no episódio da bolinha de papel no Rio de Janeiro.

Tentaram transformar um incidente de campanha num “ataque terrorista”, de proporções absurdas, levando a maior rede de tevê do País, a GLOBO, a editar e montar uma farsa, desmentida por suas principais concorrentes. E a bater o recorde negativo em todo o mundo no Twiter de “a GLOBO mente”.

Polícias militares são resquícios da antiga Guarda Nacional, desde tempos do Império e conservadas por governadores das antigas províncias, hoje estados. Com a estrutura que dispõem servem aos latifundiários, grandes empresários, sem falar na corrupção em níveis assombrosos que permeia esses corpos militares absolutamente anormais em qualquer democracia.

Polícia é uma instituição civil. Na Bahia mostra os anos de domínio do “carlismo”, grupo político do senador Antônio Carlos Magalhães, falecido no ano passado. Foram décadas de domínio político pelo medo, a demagogia e pela fraude.

A iminência da perda desse poder com a reeleição do governador Jacques Wagner e da contundente derrota de José FHC Serra leva grupos carlistas a incentivar esse tipo de barbárie.

Desde a reunião de FHC com investidores estrangeiros em Foz do Iguaçu, domingo, dia 17, onde além de uma palestra o ex-presidente definiu com mais de 150 desses investidores (captadores de recursos) a privatização de setores estratégicos da economia brasileira (PETROBRAS, BANCO DO BRASIL, ITAIPI e PREVIDÊNCIA), a campanha política tomou um rumo de violência física, verbal buscando criar medo e intimidar o eleitorado, no desespero de salvar os “negócios” que geraram bilhões a tucanos e DEM nos oito anos de FHC.

Nessa última semana, por exemplo, o jornal O GLOBO e todos os veículos do grupo da família Marinho, atribuíram a setores da campanha de Dilma Roussef a montagem de um dossiê contra o candidato tucano. A liberação do depoimento do jornalista Amaury Ribeiro Júnior, autor do dossiê (que pretende transformar em livro) e que mostra a corrupção dentro do ninho tucano e da família Serra, prova exatamente o contrário.

O dossiê foi montado a pedido de Andréa Neves, irmã de Aécio Neves, ex-governador de Minas, para ser usado diante dos ataques de José FHC Serra, através de seu grupo (no caso o jornalista Juca Kfhoury em nota em sua coluna), onde Aécio era acusado de ser usuário de drogas.

Na sem vergonhice que permeia a política de José FHC Serra, FHC, tucanos e DEM, Aécio e Serra hoje trocam beijos e abraços com Itamar Franco doido para entrar em cena. Um e outro como que imaginam poder vender Minas e os mineiros.

José FHC Serra acredita que pode comprar. Minas e os mineiros.

Há todo um conjunto de ações nesse sentido. Criar o medo, divulgar notícias falsas, tentar nessa última semana gerar pesquisas com números que possam favorecer José FHC Serra e é nesse contexto que o ataque de PMs baianos ao assentamento de pequenos produtores de cacau em Ilhéus acontece.

O controle tucano/DEM se estende para além de episódios como o da bolinha de papel, ou agora o ataque em Ilhéus, mas na procura de confrontos que possam favorecer o candidato.

Os “negócios” acordados entre FHC e investidores estrangeiros representam bilhões de dólares para os grupos envolvidos, além, evidente, da “comissão” a ser paga a tucanos e DEM, bem como na preservação de privilégios no contexto político, econômico e social do País.

Outra forma de terrorismo usada pelos tucanos é o ataque a sites e blogs independentes na rede mundial de computadores, evitando que as denúncias ocultadas pela mídia privada corrupta cheguem ao conhecimento dos eleitores. Como espaços como GOOGLE, YAHOO e outros mais são controlados por grupos norte-americanos (os jornais dos EUA anunciaram ano passado que a CIA comprou o GOOGLE), fica fácil impor formas de censura na internet.

A simples idéia de um País soberano, livre, dono do seu nariz, capaz de construir o seu futuro a partir de seu povo, gera pânico nesses setores, ávidos de transformar o Brasil em colônia de grupos econômicos que hoje controlam os EUA e fizeram daquele país um grande conglomerado terrorista.

A José FHC Serra e seu grupo interessa que o ministro das Relações Exteriores do Brasil caia de quatro no aeroporto de New York, tire os sapatos e submeta-se a uma revista vergonhosa. Como isso não acontece hoje usam de todos os métodos para chegar ao poder.

O que aconteceu em Ilhéus é mostra do que José FHC Serra pretende fazer ao Brasil e aos brasileiros. Impor a realidade de um Brasil com “Z”.

Sem escrúpulos, sem limites na ambição e na ganância que envolvem traição a interesses dos brasileiros, jogam o jogo mais sujo de toda a história de eleições presidenciais no Brasil.

O ataque a pequenos produtores rurais de cacau em Ilhéus na Bahia é uma pequena amostra do que vão fazer nessa última semana. As primeira informações sobre o ataque ao assentamento foram divulgados no twiter de Sérgio Bertoni que se encontra em Ilhéus.Laerte Braga

Abrir mão disso é covardia

http://1.bp.blogspot.com/_O0TAAGrcrc4/TMQ--7af85I/AAAAAAAAHxE/xkDh9gD88YU/s1600/colocando-na-balanca-2.jpg

Em oito anos de governo não dá pra curar o cancer do descaso político que corrói o Brasil desde o seu descobrimento.

O BRASIL TEM QUE MUDAR , MAS NÃO SERÁ COM SERRA E A IMPRENSA CORRUPTA BRASILEIRA , QUE SEMPRE ESCONDEU AS FALCATRUAS DA "ELITE"

O BRASIL PRECISA MELHORAR A EDUCAÇÃO FORMAL , DIZ O JORNAL "O GLOBO" , MAS O QUE ELE NÃO DIZ É QUE EM 8 ANOS SE FEZ MAIS DO QUE EM QUINHENTOS DE "ELITE".
APÓS QUINHENTOS ANOS DAS FORÇAS POPULARES NO GOVERNO , O BRASIL SERÁ OUTRO PAÍS , MELHOR DISTRIBUIÇÃO DE RENDA E ESCOLARIDADE PARA TODOS.
É SÓ ESPERAR , COMO NÓS TIVEMOS QUE AGUENTAR ESSES QUINHENTOS ANOS DE APARTHEID BRASILEIRO.

Marina, só falta você.

O MUNDO ESTÁ COM DILMA

Partido Verde francês declara apoio a Dilma e diz que sua vitória é única forma de avançar debate ecológico no país

Membros do Partido Verde da França declararam nesta semana, através de uma carta, apoio à candidata a presidência da República do Brasil Dilma Rousseff. Deputados, senadores e dirigentes do partido afirmam que “a manutenção da esquerda no poder é a única possibilidade real de fazer avançar a causa ecológica no país".

O documento que enaltece a figura de Marina Silva, considerando-a peça fundamental para colocar questões ecológicas na pauta das eleições presidenciais, explicita a adesão à candidatura de Dilma:

“Desejamos, através deste manifesto, expressar nossa inquietação. Algumas personalidades como Gilberto Gil, mesmo afiliado ao Partido Verde, pedem votos à Dilma sem ambiguidade. E nós compartilhamos desta posição”.

Show de bola, Dilma!

Contra fatos não há argumentos: Serra é CORRUPTO!

Manifesto das mulheres em prol de Dilma Eu assinei. Assine você também!

O MANIFESTO DAS MULHERES – ELAS ESTÃO COM DILMA

.Somos milhões de mulheres como Dilma

A onda de difamação e boataria que tem marcado a campanha contra a candidata a presidente Dilma Rousseff é um enorme retrocesso na vida política do país.
Vemos, indignadas, as tentativas de desqualificá-la e de transformar uma campanha democrática em uma “guerra suja”.
Comprovamos, indignadas, como as camadas mais retrógradas da sociedade brasileira não suportam as transformações que o governo Lula – com Dilma – trouxe para o país. Fazendo-o crescer com distribuição de renda e mais justiça social. Mais educação. Mais emprego e moradia. Mais saúde. Mais cultura. Mais comida na mesa dos brasileiros.
Como os ataques e boatos contra a Dilma têm sido, sobretudo, dirigidos a ela em sua condição de mulher, queremos aqui, ao lado de milhões de mulheres brasileiras, defendê-la.
Somos mulheres cidadãs, trabalhadoras, independentes, profissionais, donas de casa. Somos mulheres de todos os feitios, profissões e crenças. Somos mulheres de todas as idades: jovens, filhas, mães, avós e bisavós. Muitas entre nós foram, como Dilma, presas, torturadas, perseguidas, viveram no exílio, na clandestinidade. Muitas, entre nós, viveram, como ela, o mesmo processo de luta contra a Ditadura Civil-Militar que por 21 anos esmagou e envergonhou nosso país. Muitas, entre nós, viveram, como a Dilma, todo o processo de luta que nos trouxe ao país de agora que ela está ajudando a construir. Somos todas Marias, Clarices, Dilmas e Severinas.
Queremos a continuidade das transformações pelas quais o país vem passando. Queremos uma vida melhor para todos os brasileiros. Queremos homens, mulheres, jovens e crianças vivendo felizes em um país de tolerância e justiça social.
O que decidiremos, no dia 31 de outubro, é o aprofundamento dessa alternativa de crescimento com justiça social, ou o retrocesso de crescer concentrando renda e aumentando a miséria do país. É isso o que está em jogo. Por isso, queremos Dilma como presidente!
 .
São Paulo, 16 de outubro de 2010

Para assinar o manifesto, clique aqui.